sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

As coisas agora haviam mudado bastante,
E talvez ela não mais tivesse palavras
Equilibradas em sonhos impossíveis...
O silêncio dos últimos anos
Deixara aquele rastro de "por quê?" e "pra quê?"
Foi um hiato de anestesia voluntária
O gato lambeu as feridas,
O recalque do salto não dado,
A última vida sobrou...

Nenhum comentário: