domingo, 2 de dezembro de 2012

Haverá?




Esta semana gastei umas boas horas pensando no que me acontece que me faz assim tão desconfortável com minha respiração, com meus pensamentos...

Eu tive uma crise fortíssima ainda não sei de quê, pois farei exames apenas na próxima quarta-feira, meu ouvido direito vibrava por dentro, como uma farfalhar de mariposa. O ouvido parecia ter um inseto dentro e num primeiro momento pensei nisso mesmo e procurei fazer uma limpeza mais minuciosa com óleo para higiene de bebês, cotonetes, mas nada aliviava e percebi ser mais interno do que apenas "orelhas"...

Essa crise me impedia de permanecer concentrada no meu trabalho matutino, o computador parecia arredondado, os números se confundiam na minha mente, todo o qualquer barulho me incomodava e até comprar alimentos no supermercado ficou muito difícil porque primeiro eu precisava alcançar os objetos mais baixos, segundo porque eu não suportava o trepidar do carrinho de compras...

Eu gosto de dar as coisas uma importância maior do que talvez elas mereçam, mesmo as pequenas coisas, porque não gosto da ideia de ter deixado algo escapar-me por desatenção ou insensibilidade... E reparei mais uma vez, como entre tantas outras vezes em que penso nisso, na insignificância do meu ser. 

Pra ajudar nisso tudo, estava terminando a leitura do livro "Leite Derramado" do Chico Buarque, de leitura complexa, não é um livro fácil de acompanhar embora os "cultos" de plantão vão dizer que eu que sou limitada e não captei o "todo" da viagem do Chico, mas confesso que precisei reler algumas folhas para prosseguir até o fim. E fiquei a pensar que realmente a espécie humana é dividia em muitos e muitos níveis mentais... não sei a palavra correta. Mas é inquestionável a superioridade de algumas pessoas em termos de ideias, criação e maestria.

A minha casa sempre foi repleta de livros, papel e conversas. Meu pai se encarregou disso, minha mãe embarcou nessa com ele e eu fui na carona. Virei uma pessoa que se emociona facilmente, com uma boa leitura, um show, um desenho, uma história bem contada... Eu me coloco muito rapidamente no lugar do outro e quando percebo estou sentindo a dor dele e sofrendo junto o que faz com que assistir à um filme eu possa sair dele mais leve, rindo ou depressiva e muito mais preocupada ainda se for um biográfico, rs*

Também sou bastante dispersa, o que já fez com que você notasse que eu quase me perdi do mote que me trouxe aqui que foi a sensação de estar ficando ou surda, ou perturbada permanentemente por algo estranho ao qual eu não tenho controle. Observar o mundo sob essa ótica me fez pensar no quanto somos realmente passageiros, na doença que pode estar nos consumindo em silêncio, nas pessoas que se consomem em silêncio, na dor de quem assiste a dor em silêncio...  
No desperdício que é tanta vida jogada fora com gente medíocre, que tem saúde, mas não a usa pra nada, ou gente que só pensa em si próprio, gente que só enxerga as suas próprias dores. Gente que vive somente para trabalhar, se divertir, comer e dormir. 

Eu sofro de uma urgência da qual não consigo me livrar, eu sempre penso que estou fazendo pouco, fazendo pouquíssimo, e dentro desse pouco, faço-o de forma mediana. Isso, em algumas épocas me atormenta incessantemente. Eu sofro de insônia, tenho dores de cabeça constantes, meu corpo dói bastante e tem dias em que penso que é provável que eu não dure muito mesmo, então, tenho que fazer o que preciso logo. Mas não consigo. Não tenho recursos para tanto. O que eu gostaria é maior do que eu sou. E não que eu não tente. Mas não encontro caminhos para penetrar nas pessoas como gostaria.

Quem me conhece sabe que eu faço minhas tentativas, eu tenho as portas do meu lar abertas, crio momentos para encontros de amigos e reflexões, abro debates sempre que posso, adoro conversar sobre tudo quando encontro portas igualmente abertas. Mas quando estou sozinha, em silêncio, fico pensando no que temos de "ideias" hoje em dia?

Será que tem alguém querendo transformar o mundo? Ou pelo menos o "seu" micro-mundo? O que temos hoje em dia é um desinteresse tão grande por coisas mais profundas, como se as pessoas tivessem medo de conversar sobre o que carregam de mais secreto dentro de si. É uma ditadura da felicidade/infelicidade que a sociedade tem criado através das redes sociais. Onde encontramos de tudo, eu vejo pelo meu Facebook, onde compartilhamos todo tipo de emoção, experiências religiosas, piadas, trechos de livros, notícias importantes, notícias medíocres, fotos, pensamentos íntimos, mas tudo, tudo tem uma aura de "por favor, vamos encontrar algo que nos envolva realmente?"

Alguns postam fotos, citações, comentários como quem tenta convencer a si próprio de que está "tudo bem", "tudo sob controle". A sensação de "estou fazendo a minha parte" atinge níveis ainda maiores quando se repassa alguma mensagem de auto-ajuda, ou campanha contra algo politicamente incorreto, ou corrupto ou sei lá o quê. 

Eu leio sobre grandes pensadores, grandes artistas, gente que fez algo que marcou e mudou uma época, uma geração inteira porque abraçou alguma ideia que já estava no ar... Tudo que existe já existia, só que alguém mais sensível, "antenado" captou e conseguiu traduzir para um grande número de pessoas. Sei que são tolices óbvias mas eu fico pensando que se hoje não temos nada muito "significativo". 

Em cada década a juventude teve a sensibilidade de captar algo à que se devotar, fosse a luta de classes, a semente do socialismo, movimentos político-sociais-musicais, e tivemos os hippies, punks, tropicália, rock n' roll, o rap, a denúncia, a arte de subúrbio entre tantas manifestações de qualidade... A época do culto aos esportistas nacionais, e hoje?

Eu sinto um abandono mental generalizado, tudo que ouço os jovens comentando na internet é relacionado à droga, bebida e coisas que sempre existiram, mas na verdade droga e bebida não são mais elementos da contra-cultura. O adolescente que gosta de estampar suas "transgressões" não assusta mais à ninguém. Pelo menos não a mim... o que me assustaria hoje, seria algo efetivo para a evolução do "pensar coletivo". Essa semana eu pensei o que seria da atualidade se Raul Seixas, Albert Einsten,  tivesse tido internet por exemplo? E pro mal também, o que teria sido da humanidade se Hitler tivesse usado a internet para convencimento mundial? 

E será que não estamos também comprando ideias e conceitos a todo momento na internet? Claro que sim, cada bobagem compartilhada, cada foto, cada "must have" que você cita, cada pequena peça que usamos nessa construção da nossa cultura atual refletirá para os vindouros o que somos hoje. Ou o que estamos tentando ser.

Eu tenho uma coleção de fotos de coisas que jamais terei mas que gosto de ver, pinturas, roupas, conceitos, obras de arte, pessoas, desejos, sonhos e lugares que jamais serão verdade. Mas são reais na pasta de arquivos. Vivemos onde? vivemos o quê?

Eu observo a mim mesma e pra buscar algum sentido aos meus pensamentos, me agarro à diversas formas de pensamento e "algum remédio que me dê alegria", mas se eu pensar, tudo que tomo emprestado para me traduzir também não sou eu. Será que sou o que prego, o que penso? Será que realmente me pareço com meus pensamentos? Minhas atitudes refletem o que eu penso ser?
Será que consigo me expressar de formar adequada e fazer com que entendam realmente o que eu quero dizer? 

Será que terei tempo de viver tudo que preciso ser? Eu acho mesmo uma pena que meu corpo não possa acompanhar minhas idéias, eu sinto minha saúde piorando e vejo que tenho tanto a fazer... e sei que nunca farei nem metade do que vislumbro... mas eu tento e parece uma luta tão desigual.

Eu preciso encontrar minha carapuça, porque religião, boemia, música, arte, animais abandonados, violência, educação, saúde, sexo, política, todas essas roupagens não andam me servindo, nem tão pouco me consolando, não me atraem mais. 

Mas não é depressão. É desassossego. É inquietude. É um passar mal por ser quem se é, não suportar sequer imaginar o quanto medíocre eu possa ser e não ter bagagem para transformar isso. 

Eu me sinto mal em querer mudar a vida de quem está ao meu redor, porque antes disso preciso saber quem eu sou. Eu sempre consigo transformar a minha vida, mas sempre sem entender se o que faço é o melhor que poderia ter feito ou não. 

Eu estou em busca do melhor de mim. Mas morro de medo de que não haja.







sábado, 1 de dezembro de 2012

Zizi Possi, minha Diva mais do que linda!








Lápis grafite sobre papel Fabriano 121 L - 30X40cm by Ghiza Rocha - 2012.

Presente para Zizi Possi em ocasião de seu show em 17 de novembro de 2012 em Florianópolis/SC

sábado, 15 de setembro de 2012

Enfim, só.


Cansada de admirar a lua alheia
De lamentar o não dito,
De esperar por si própria,
E não mais precisando da mesa posta,
Optou por ser..

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Refletindo...


"O possesso revolvia-se aos seus pés, a voz dentro dele pronunciara o até hoje impronunciado e calara-se, e nesse instante, Jesus, como quem acabasse de reconhecer-se noutro, sentiu-se, também ele, como que possesso, possesso de uns poderes que o levariam não sabia aonde ou a quê, mas sem dúvida, no fim de tudo, ao túmulo e aos túmulos. Perguntou ao espírito, Qual é o teu nome, e o espírito respondeu, Legião, porque somos muitos. Disse Jesus, imperiosamente, Sai desse homem, espírito imundo. Mal o dissera, ergueu-se o coro das vozes diabólicas, umas finas e agudas, outras grossas e roucas, umas suaves como de mulher, outras que pareciam serras a serrar pedra, umas em tom de sarcasmo provocante, outras com humildades falsas de mendigo, umas soberbas, outras de lamúria, umas como de criancinha que aprende a falar, outras que eram só grito de fantasma e gemido de dor, mas todas suplicavam a Jesus que os deixasse ficar ali, nestes sítios que já conheciam, que bastaria dar-lhes ele a ordem de expulsão e sairiam do corpo do homem, mas que, por favor, os não expulsasse da região. Perguntou Jesus, E para onde querem vocês ir. Ora, ali próximo do monte andava a pastar uma grande vara de porcos, e os espíritos impuros imploraram a Jesus, Manda-nos para os porcos e entraremos neles. Jesus pensou e pareceu-lhe que era uma boa solução, considerando que aqueles animais deviam ser pertença de gentios, uma vez que a carne do porco é impura para os judeus. A ideia de que, comendo os seus porcos, poderiam os gentios ingerir também os demónios que dentro deles estavam e ficar possessos, não ocorreu a Jesus, como também não lhe ocorreu o que depois desgraçadamente aconteceu, mas a verdade é que nem
186
mesmo um filho de Deus, aliás ainda não habituado a tão alto parentesco, poderia prever, como no xadrez, todas as consequências dum simples lance, duma decisão simples. Os espíritos impuros, excitadíssimos, esperavam a resposta de Jesus, faziam apostas, e quando ela veio, Sim, podem passar para os porcos, deram em uníssono um grito descarado de alegria e, violentamente, entraram nos animais. Fosse pelo inesperado do choque, fosse por não estarem os porcos habituados a andar com demónios dentro, o resultado foi enlouquecerem todos num repente e lançarem-se do precipício abaixo, os dois mil que eram, indo cair ao mar, onde morreram afogados todos. Não se descreve a raiva dos donos dos inocentes animais que ainda um minuto antes andavam no seu sossego, fossando nas terras brandas, se as encontravam, à procura de raízes e vermes, rapando a erva escassa e dura das superfícies ressequidas, e agora, vistos cá de cima, os porquinhos faziam pena, uns já sem vida, boiando, outros, quase desfalecidos, faziam ainda um esforço titânico para manter as orelhas fora de água, pois é sabido que os porcos não podem fechar os condutos auditivos, entra-lhes por ali a água em caudal e, em menos que um ámen, ficam inundados por dentro. Os porqueiros, furiosos, atiravam de longe pedras a Jesus e a quem estava com ele, e já vinham a correr aí com o propósito, justíssimo, de exigir responsabilidades ao causador do prejuízo, um x por cabeça, a multiplicar por dois mil, as contas são fáceis de fazer. Mas não de pagar. Pescador é gente de pouco dinheiro, vive de espinhas, e Jesus nem pescador era. Ainda quis o nazareno esperar pelos reclamantes, explicar-lhes que o pior de tudo no mundo é o diabo, que ao lado dele dois mil porcos não tiram nem acrescentam, e que todos nós estamos condenados a sofrer perdas na vida, as materiais e as outras, Tenham paciência, irmãos, diria Jesus quando chegassem à fala. Mas Tiago e João não estiveram de acordo que se deixassem ficar à espera de um recontro, que, pela amostra, não seria pacífico, de nada servindo a boa educação e as boníssimas intenções de um lado contra a brutalidade e a razão do outro lado. Jesus não queria, mas teve de render-se a argumentos que ganhavam mais poder persuasivo a cada pedra que caía perto. Desceram a correr a encosta para o mar, num salto estavam dentro da barca, e, à força de remos, em pouco tempo se acharam a salvo, os do outro lado não pareciam ser gente dada à vida da pesca, pois se barcos tinham não estavam à vista. Perderam-se uns porcos, salvou-se uma alma, o ganho é de Deus, disse Tiago. Jesus olhou-o como se pensasse noutra coisa, uma coisa que os dois irmãos, olhando-o a ele, queriam conhecer e de que estavam ansiosos por falar, a insólita revelação, feita pelos demónios, de que Jesus era filho de Deus, mas Jesus virara os olhos para a margem donde tinham fugido, via o mar, os porcos flutuando e baloiçando-se na ondulação, dois mil animais sem culpa, uma inquietação germinava dentro de si, buscava por onde romper, e de súbito, Os demónios, onde estão os demónios, gritou, e depois soltou uma gargalhada para o céu, Escuta-me, ó Senhor, ou tu escolheste mal o filho que disseram que eu sou e há-de cumprir os teus desígnios, ou entre os teus mil poderes falta o duma inteligência capaz de vencer a do diabo, Que queres dizer, perguntou João, aterrado pelo atrevimento da interpelação, Quero dizer que os demónios
187
que moravam no possesso estão agora livres, porque os demónios já nós sabíamos que não morrem, meus amigos, nem sequer Deus os pode matar, o que eu ali fiz valeu tanto como cortar o mar com uma espada. Do outro lado descia para a margem muita gente, alguns atiravam-se à água para recuperar os porcos que boiavam mais perto, outros saltavam para os barcos e iam à caça. Nessa noite, na casa de Simão e André, que era ao lado da sinagoga, reuniram-se os cinco amigos em segredo para debaterem a tremendíssima questão de ser Jesus, segundo a revelação dos demónios, filho de Deus..."


("O Evangelho Segundo Jesus Cristo" - José Saramago)

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Liberdade


“Deve existir nos homens um sentimento profundo que corresponde a essa palavra LIBERDADE, pois sobre ela se têm escrito poemas e hinos, a ela se tem até morrido com alegria e felicidade.
Diz-se que o homem nasceu livre, que a liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade de outrem; que onde não há liberdade não há pátria; que a morte é preferível à falta de liberdade; que renunciar à liberdade é renunciar à própria condição humana; que a liberdade é o maior bem do mundo; que a liberdade é o oposto à fatalidade e à escravidão; nossos bisavós gritavam “Liberdade, Igualdade e Fraternidade!”. Nossos avós cantaram: “Ou ficar a Pátria livre ou morrer pelo Brasil!”; nossos pais pediam: “Liberdade! Liberdade! – abre as asas sobre nós”, e nós recordamos todos os dias que “o sol da liberdade em raios fúlgidos – brilhou no céu da Pátria…” – em certo instante.
Somos, pois criaturas nutridas de liberdade há muito tempo, com disposições de cantá-la, amá-la, combater e certamente morrer por ela.
Ser livre – como diria o famoso conselheiro… – é não ser escravo; é agir segundo a nossa cabeça e o nosso coração, mesmo tendo que partir esse coração e essa cabeça para encontrar um caminho… Enfim, ser livre é ser responsável, é repudiar a condição de autônomo e de teleguiado – é proclamar o triunfo luminoso do espírito. (Supondo que seja isso.)
Ser livre é ir mais além: é buscar outro espaço, outras dimensões, é ampliar a órbita da vida. É não estar acorrentado. É não viver obrigatoriamente entre quatro paredes.
Por isso, os meninos atiram pedras e soltam papagaios. A pedra inocentemente vai até onde o sono das crianças deseja ir. (Às vezes, é certo, quebra alguma coisa, no seu percurso…).
Os papagaios vão pelos ares até onde os meninos de outrora (muito de outrora!…) não acreditavam que se pudesse chegar tão simplesmente, com um fio de linha e um pouco de vento!…
Acontece, porém, que um menino, para empinar um papagaio, esqueceu-se da fatalidade dos fios elétricos e perdeu a vida.
E os loucos que sonharam sair de seus pavilhões, usando a fórmula do incêndio para chegarem à liberdade, morreram queimados, com o mapa da Liberdade nas mãos!…
São essas coisas tristes que contornam sombriamente aquele sentimento luminoso da LIBERDADE. Para alcançá-la estamos todos os dias expostos à morte. E os tímidos preferem ficar onde estão, preferem mesmo prender melhor suas correntes e não pensar em assunto tão ingrato.
Mas os sonhadores vão para a frente, soltando seus papagaios, morrendo nos seus incêndios, como as crianças e os loucos. E cantando aqueles hinos que falam de asas, de raios fúlgidos – linguagem de seus antepassados, estranha linguagem humana, nestes andaimes dos construtores de Babel…”
LIBERDADE, por Cecília Meireles .

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Refletindo com meu contemporâneo de igual pedigree.


É Tudo Pose
Lobão



Na vida hoje
É tudo pose
Todo mundo se imagina estampado em outdoor
É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Preocupados com olhares ao redor
Pra entrar no carro
Pra sair na rua
Tudo, tudo vira pose, é bem pior que na TV
Pra tirar um sarro
Cada um na sua
Inventando pose até pra morrer
É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
A vida, vida sempre foi assim
É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Sai dessa podre ou vê se sai de mim
Pose pra quê?
Pose pra quem?
Com essa pose você não vai ser ninguém
Seja você
Sai do normal
No fim de tudo a vida vira um carnaval
É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
A vida sempre, sempre foi assim
É tudo pose, é tudo pose, é tudo pose
Sai dessa podre ou vê se sai de mim

terça-feira, 5 de junho de 2012

100 Coisas para fazer nesta vida.


100 coisas para se fazer nesta vida.
(eu já fiz e aprovo todas!)

1- Teatro amador. Que delícia contar histórias pras pessoas, criar laços com os grupos e ter um passado pra contar!

2- Ter um caderno de poesias, escritas por você. Não se preocupe com a qualidade, apenas tenha um espaço só seu de sentimentos e idéias.

3- Aprenda a costurar, mesmo que seja apenas à mão, saiba pregar um botão, fazer a barra da sua própria calça.

4- Colecione algo.

5- Monte um quebra-cabeças gigante.

6- Faça desenhos.

7- Cante em público.

8- Leia uma história para alguém.

9- Dance até não agüentar mais.

10- Tenha recordações.

11- Tenha um amigo eterno.

12- Guarde algum objeto da sua infância para seus filhos.

13- Guarde algo seu, de seus pais e avós para deixar aos seus filhos.

14- Pinte um quadro

15- Pinte as paredes da sua casa.

16- Ouça música de países desconhecidos.

17- Use uma roupa que você jamais usaria.

18- Saia de casa sem destino.

19- Viaje sozinho, pra passear.

20- Use um cabelo gigantesco.

21- Corte muito este cabelo de um dia pro outro.

22- Perca a consciência. (Mas a recupere depois)

23- Aprenda a fazer algo especial em culinária.

24- Mude todo o estilo da sua casa.

25- Prove alguma comida exótica.

26- Experimente algum esporte radical.

27- Visite o máximo de cultos religiosos que puder, sem preconceito de nada. Vá a um templo de candomblé, umbanda, evangélico, católico, protestantes, testemunhas de jeová, budistas, hinduístas, todos que tiver oportunidade.

28- Converse com pessoas diferentes de você. E as ouça.

29- Jogue video-game com seu filho

30- Cante, dance, desenhe com seu filho.

31- Deite sozinho, absolutamente sozinho na areia de uma praia absolutamente deserta e se entregue pra Vida.

32- Encontre um lugar, um canto só seu ao ar livre onde vc possa voltar pelo menos uma vez por ano e meditar.

33- Faça uma trilha sozinho.

34- Faça uma trilha em grupo.

35- Visite o Aquário, no bairro do Ipiranga em São Paulo e fique frente à frente com um tubarão branco, olhos nos olhos. Veja uma arraia gigante nadar sobre sua cabeça, preste atenção nos movimentos dos morcegos...

36- Medite sobre o fato de que não somos a única forma de vida que ocupa este planeta.

37- Pense em tudo que seus pais já fizeram e ainda fazem por você.

38- Faça uma lista com os nomes das pessoas que mais influenciaram seus caminhos até hoje. Seja de forma benéfica ou não.

39- Pense em alguma experiencia de sua vida que na época foi uma tragédia, mas hoje parece engraçado.

40- Perceba que a palavra “amor”, com o passar dos anos ganha uma amplitude maior e que é necessário se livrar do que a sociedade pré-estabelece que “seria” o amor e procurar uma concepção pessoal.

41- Reconheça as pessoas “mágicas” que passaram em sua vida e os momentos que elas trouxeram para você.

42- Entre numa biblioteca para encontrar um livro que você ainda não sabe qual é. Apenas entre e encontre algo que está lá, te esperando para ser lido e mudar sua vida.

43- Seja jovem e saiba quando ser velho.

44- Não mantenha em sua casa objetos dos quais não faça uso. Tenha o hábito de doar tudo o que for supérfluo para você, pois pode ser útil e melhorar o dia a dia de alguém.

45- Tenha um hobby.

46- Liberte-se de algum vício ou mania que de alguma maneira te faz mal.

47- Cultive alguma planta. Ou muitas!

48- Procure alguém à quem você deve pedir desculpas e peça perdão pelos seus erros. Mesmo que seja com uma década de atraso.

49- Perdoe, mesmo que a pessoa não saiba que te machucou. Perdoe-a dentro de você. Com sinceridade.

50- Realize algum sonho bobo, alguma vontade tão simples, mas que por algum motivo você fica sempre postergando.

51- Abrace um amigo e lhe diga o quanto ele é importante para você.

52- Faça um auto-retrato. Do jeito que você conseguir.

53 – Pense em alguém que já faleceu e relembre alguns momentos felizes juntos, agradeça por ter tido a oportunidade de ter convivido com ela e não pense nela com tristeza, pois ela já cumpriu sua etapa.

54- Reveja seus valores. Quais são as qualidades mais importantes que você procura desenvolver dentro de si.

55- Pense em quantos “amigos” verdadeiros você tem.

56- Melhore algo ao seu redor. Sempre que puder.

57- Perceba o quanto somos pequenos, efêmeros...

58- Tenha um livro preferido.

59- Descubra uma poesia que parece ter sido feita para você.

60- Aprenda a consertar algo.

61- Seja honesto consigo mesmo e assuma suas qualidades, somos educados para passar uma vida lamentando todas as nossas fraquezas, erros e falhas.

62- Peça algo para alguém. Peça um favor, um aumento, um beijo. Eu gosto de pedir que me ensinem algo. Vivo atrás das pessoas que sabem fazer coisas que quero aprender, rs*

63- Vença um defeito seu. Eu estou passo a passo vencendo algumas coisas que sempre fui falha, atualmente estou focando no meu aprendizado de organização. Declarei guerra ao caos. Pelo menos o caos externo eu preciso domar!

64- Note que nós não sabemos de nada. Nada. Quando vc pensar que sabe algo sobre algum assunto, lembre-se de que sempre existe alguém que sabe muito mais do que você. Pare de querer ter certezas.

65- Aceite a dúvida.

66- Observe a natureza. Parece papo de hippie maluco, mas pare um minuto e observe a simultaneidade das coisas, enquanto você navega na internet, as formigas trabalham, plantas crescem, alguém nasce, morre, o sol está nascendo em algum lugar, a vida no mar, desde os mais elementares até a maior baleia que está ocupada com algo neste momento... tudo.

67- Converse com uma pessoa desconhecida, puxe papo, pode ser aquela senhora na fila do banco, aquele paciente que espera junto com você na ante-sala da clínica....

68- Descubra o significado do dinheiro para você.

69- Brinque com um animal. Todo mundo deveria ter pelo menos uma experiência feliz num relacionamento de amizade e confiança com um animal. Eu tive a Frida, a melhor gata do mundo!

70- Aprenda a dizer “não”.

71- Aprenda a dizer “sim”.

72- Aprenda que se você for fazer algo e não puder consertar sozinho se der errado, não faça.

73- Pense nas pessoas que você pode prejudicar com seus erros, diante disto, reflita que tudo que fazemos repercute não somente na sua vida, cada ato, cada escolha sua, influencia a vida de quem está ao seu redor.

74- Aprenda algo que você se julgava incapaz de aprender.

75- Liberte-se de algum complexo.

76- Aprenda a administrar sua vida, em especial suas finanças. Aprenda a viver como o que tem e se te faltar algo, produza para merecer.

77- Mergulhe no mar e abra os olhos.

78- Assista à um por-do-sol até que ele desapareça totalmente.

79- Escale uma montanha.

80- Corra perigo.

81- Acampe na praia. Faça vigília até o sol nascer.

82- Não tenha medo de dizer coisas bonitas para as pessoas.

83- Brinque com seus pais.

84- Corra atrás do seu ídolo, artista ou o que valha e tente conhece-lo, abraça-lo! Seja bobo!

85- Use uma roupa de gala, pelo menos uma vez na vida.
86- Vá ao mercado de pijamas.

87- Arrume alguém que componha uma música para você.

88- Cante bem alto sozinho numa praia, numa montanha, cante para si, para o mundo.

89- Prepare um bolo para a criançada, mesmo que você não tenha filhos, vale sobrinhos, priminhos, etc...

90- Encontre um filme que te leve às lágrimas.

91- Pague suas dívidas. Seja de qualquer espécie.

92- Faça uma fogueira para queimar qualquer recordação, objeto, o que for que te faça mal! (eu já queimei uma pilha de calcinhas tamanho GG, trabalhos escolares e um diário muito pesado para mim, ai foi libertador, hahaha) Na dúvida, fósforos e gasolina são sempre a melhor opção.

93- Converse com o mar. Com a natureza. Ela responde, sempre.

94- Preste atenção no que seus pais lhe dizem. Na maioria das vezes eles acertam em cheio.

95- Tenha filhos. E eduque-os, com capricho.

96- Aprenda a abrir mão dos seus desejos para a felicidade de um filho.

97- Saiba a hora de retomar as rédeas de sua vida se ela parecer desgovernada e perdida.

98- Escreva uma carta à mão para alguém muito especial.

99-  Agradeça sempre. Agradeça aos seus pais, aos seus filhos, aos seus amigos, agradeça por todo o amor que já recebeu e deu nesta vida, agradeça por tudo que tem, por tudo que perdeu. Agradeça.

100- Ame. Ame a si mesmo, ame muito quem você quiser, sem esperar reciprocidade. Ame, porque no final é a única coisa realmente boa desta vida.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Chico Mendes



"Se descesse um enviado dos céus e me garantisse que minha morte iria fortalecer nossa luta até que valeria a pena.
Mas a experiência nos ensina o contrário. Então eu quero viver. Ato público e enterro numeroso não salvarão a Amazônia. Quero Viver."

Chico Mendes

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Madre Teresa de Calcutá



"É fácil amar os que estão longe. Mas nem sempre é fácil amar os que vivem ao nosso lado."


"Temos de ir à procura das pessoas, porque podem ter fome de pão ou de amizade."


"O dever é uma coisa muito pessoal; decorre da necessidade de se entrar em ação, e não da necessidade de insistir com os outros para que façam qualquer coisa."


"Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz."


"Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiracão, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação."


"Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.

Perdoe-as assim mesmo!

Se você é gentil, podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.

Seja gentil assim mesmo!

Se você é um vencedor terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros.

Vença assim mesmo!

Se você é bondoso e franco poderão enganá-lo.

Seja bondoso e franco assim mesmo!

O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para a outra.

Construa assim mesmo!

Se você tem paz e é feliz, poderão sentir inveja.

Seja feliz assim mesmo!

O bem que você faz hoje, poderão esquecê-lo amanhã.

Faça o bem assim mesmo!

Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante.

Dê o melhor de você assim mesmo!

Veja você que, no final das contas é entre você e Deus.

Nunca foi entre você e os outros!"



"Enquanto estiver vivo, sinta-se vivo.
Se sentir saudades do que fazia, volte a fazê-lo.
Não viva de fotografias amareladas...
Continue, quando todos esperam que desistas.
Não deixe que enferruje o ferro que existe em você.
Faça com que em vez de pena, tenham respeito por você.
Quando não conseguir correr através dos anos, trote.
Quando não conseguir trotar, caminhe.
Quando não conseguir caminhar, use uma bengala.
Mas nunca se detenha."



"Dizer que há bebê demais é como dizer que há flores demais"

terça-feira, 3 de abril de 2012

Astronauta - Lulu Santos e Gabriel, o Pensador.

Astronauta tá sentindo falta da Terra?
Que falta que essa Terra te faz?
A gente aqui embaixo continua em guerra
Olhando aí pra lua implorando por paz
Então me diz: por que que você quer voltar?
Você não tá feliz onde você está?
Observando tudo a distância
Vendo como a Terra é pequenininha
Como é grande a nossa ignorância
E como a nossa vida é mesquinha
A gente aqui no bagaço, morrendo de cansaço
De tanto lutar por algum espaço
E você, com todo esse espaço na mão
Querendo voltar aqui pro chão?!
Ah não, meu irmão... qual é a tua?
Que bicho te mordeu aí na lua?
Eu vou pro mundo da lua
Que é feito um motel
Aonde os deuses e deusas
Se abraçam e beijam no céu
Ah não, meu irmão... qual é a tua?
Que bicho te mordeu aí na lua?
Fica por aí que é o melhor que você faz
A vida por aqui tá difícil demais
Aqui no mundo, o negócio tá feio
Tá todo mundo feito cego em tiroteio
Olhando pro alto, procurando a salvação
Ou pelo menos uma orientação ...

Você já tá perto de Deus, astronauta
Então, me promete
Que pergunta pra ele as respostas
De todas as perguntas e me manda pela internet ...

Eu vou pro mundo da lua
Que é feito um motel
Aonde os deuses e deusas
Se abraçam e beijam no céu 

É tanto progresso que eu pareço criança
Essa vida de internauta me cansa
Astronauta, você volta e me deixa dar uma volta na nave, passa a chave que eu tô de mudança
Seja bem-vindo, faça o favor
E toma conta do meu computador
Porque eu tô de mala pronta, tô de partida
E a passagem é só de ida
Tô preparado pra decolagem, vou seguir viagem, vou me desconectar
Porque eu já tô de saco cheio e não quero receber nenhum e-mail com notícia dessa merda de lugar 

Eu vou pro mundo da lua
Que é feito um motel
Aonde os deuses e deusas
Se abraçam e beijam no céu 

Eu vou pra longe, onde não exista gravidade
Pra me livrar do peso da responsabilidade
De viver nesse planeta doente
E ter que achar a cura da cabeça e do coração da gente
Chega de loucura, chega de tortura
Talvez aí no espaço eu ache alguma criatura inteligente
Aqui tem muita gente, mas eu só encontro solidão
Ódio, mentira, ambição
Estrela por aí é o que não falta, astronauta
A Terra é um planeta em extinção 

Eu vou pro mundo da lua
Que é feito um motel
Aonde os deuses e deusas
Se abraçam e beijam no céu

segunda-feira, 2 de abril de 2012

02/4/2012






"A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre."
-- Oscar Wilde



"No convívio com sábios e artistas facilmente nos enganamos no sentido oposto: não é raro encontrarmos por detrás dum sábio notável um homemmedíocre, e muitas vezes por detrás de um artista medíocre - um homem muito notável."
-- Friedrich Nietzsche


medíocre
Significado de Medíocre

adj. Que está entre o grande e o pequeno, o bom e o mau: obra medíocre.
S.m. Aquele que é medíocre, aquele que não tem grande valor intelectual.

terça-feira, 20 de março de 2012




























Ouro de Tolo
Raul Seixas


Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso
Na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar
Um Corcel 73...

Eu devia estar alegre
E satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado
Fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa...

Ah!
Eu devia estar sorrindo
E orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa...

Eu devia estar contente
Por ter conseguido
Tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado...

Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto "e daí?"
Eu tenho uma porção
De coisas grandes prá conquistar
E eu não posso ficar aí parado...

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos...

Ah!
Mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro
Jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco...

É você olhar no espelho
Se sentir
Um grandessíssimo idiota
Saber que é humano
Ridículo, limitado
Que só usa dez por cento
De sua cabeça animal...

E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social...

Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar...

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador...

Ah!
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar...

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador...

quarta-feira, 14 de março de 2012

Escarlate.





E no armário, 
harmonicamente organizados,
Os sentimentos repousavam, 
ton sur ton...
Ano após ano...
Lembranças, palavras e sons.
Uma jaula para amansar sua selvageria obsoleta.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Um presente realmente significativo...



Dia 8 de Março
A Fundação José Saramago oferece um presente às mulheres que visitem esta página: um texto de José Saramago, a carta que Maria de Magdala escreveu - em ficção, claro - a Jesus Cristo, anos depois de ele ter morrido:

Um Capítulo para O Evangelho

De mim se há-de dizer que depois da morte de Jesus me arrependi do que chamavam os meus infames pecados de prostituta e me converti em penitente até ao fim da vida, e isso não é verdade.
Subiram-me despida aos altares, coberta unicamente pela cabeleira que me desce até aos joelhos, com os seios murchos e a boca desdentada, e se é certo que os anos acabaram por ressequir a lisa tersura da minha pele, isso só sucedeu porque neste mundo nada pode prevalecer contra o tempo, não porque eu tivesse desprezado e ofendido o mesmo corpo que Jesus desejou e possuiu. Quem aquelas falsidades vier a dizer de mim nada sabe de amor. Deixei de ser prostituta no dia em que Jesus entrou na minha casa trazendo-me a ferida do seu pé para que eu a curasse, mas dessas obras humanas a que chamam pecados de luxúria não teria eu que me arrepender se foi como prostituta que o meu amado me conheceu e, tendo provado o meu corpo e sabido de que vivia, não me virou as costas. Quando diante de todos os discípulos Jesus me beijava uma e muitas vezes, eles perguntaram-lhe porque me queria mais a mim que a eles, e Jesus respondeu: “A que se deve que eu não vos queira tanto como a ela?” Eles não souberam que dizer porque nunca seriam capazes de amar Jesus com o mesmo absoluto amor com que eu o amava. Depois de Lázaro ter morrido, o desgosto e a tristeza de Jesus foram tais que, uma noite, debaixo do lençol que tapava a nossa nudez, eu lhe disse: “Não posso alcançar-te onde estás porque te fechaste atrás de uma porta que não é para forças humanas”, e ele disse, queixa e gemido de animal que se escondeu para sofrer: “Ainda que não possas entrar, não te afastes de mim, tem-me sempre estendida a tua mão mesmo quando não puderes ver-me, se não o fizeres esquecer-me-ei da vida, ou ela me esquecerá”. E quando, alguns dias passados, Jesus foi reunir-se com os discípulos, eu, que caminhava a seu lado, disse-lhe: “Olharei a tua sombra se não quiseres que te olhe a ti”, e ele respondeu: “Quero estar onde estiver a minha sombra se lá é que estiverem os teus olhos”. Amávamo-nos e dizíamos palavras como estas, não apenas por serem belas e verdadeiras, se é possível serem uma coisa e outra ao mesmo tempo, mas porque pressentíamos que o tempo das sombras estava a chegar e era preciso que começássemos a acostumar-nos, ainda juntos, à escuridão da ausência definitiva. Vi Jesus ressuscitado e no primeiro momento julguei que aquele homem era o cuidador do jardim onde o túmulo se encontrava, mas hoje sei que não o verei nunca dos altares onde me puseram, por mais altos que eles sejam, por mais perto do céu que alcancem, por mais adornados de flores e olorosos de perfumes. A morte não foi o que nos separou, separou-nos para todo o sempre a eternidade. Naquele tempo, abraçados um ao outro, unidas pelo espírito e pela carne as nossas bocas, nem Jesus era então o que dele se proclamava, nem eu era o que de mim se escarnecia. Jesus, comigo, não foi o Filho de Deus, e eu, com ele, não fui a prostituta Maria de Magdala, fomos unicamente aquele homem e esta mulher, ambos estremecidos de amor e a quem o mundo rodeava como um abutre babado de sangue. Disseram alguns que Jesus havia expulsado sete demónios das minha entranhas, mas também isso não é verdade. O que Jesus fez, sim, foi despertar os sete anjos que dentro da minha alma dormiam à espera que ele me viesse pedir socorro: “Ajuda-me”. Foram os anjos que lhe curaram o pé, eles foram os que me guiaram as mãos trementes e limparam o pus da ferida, foram os que me puseram nos lábios a pergunta sem a qual Jesus não poderia ajudar-me a mim: “Sabes quem eu sou, o que faço, de que vivo”, e ele respondeu: “Sei”, “Não tiveste que olhar e ficaste a saber tudo”, disse eu, e ele respondeu: “Não sei nada”, e eu insisti: “Que sou prostituta”, “Isso sei”, “Que me deito com homens por dinheiro”, “Sim”, “Então sabes tudo de mim” e ele, com voz tranquila, como a lisa superfície de um lago murmurando, disse: “Sei só isso”. Então, eu ainda ignorava que ele fosse o filho de Deus, nem sequer imaginava que Deus quisesse ter um filho, mas, nesse instante, com a luz deslumbrante do entendimento pelo espírito, percebi que somente um verdadeiro Filho do Homem poderia ter pronunciado aquelas três palavras simples: “Sei só isso”. Ficámos a olhar um para o outro, nem tínhamos dado por que os anjos se tinham retirado já, e a partir dessa hora, pela palavra e pelo silêncio, pela noite e pelo dia, pelo sol e pela lua, pela presença e pela ausência, comecei a dizer a Jesus quem eu era, e ainda me faltava muito para chegar ao fundo de mim mesma quando o mataram. Sou Maria de Magdala e amei. Não há mais nada para dizer.


in José Saramago, O Caderno 2, Caminho 2010






Visite: http://www.josesaramago.org/

quarta-feira, 7 de março de 2012

Dedicado ao meu companheiro Ricardo... "não vou pro céu, mas já não vivo no chão..."


Sonho de Caramujo
João Bosco


"Nem menino eu era garotinho
Vivia adulto sozinho
Eu nunca fui aonde eu ia
Andava em má companhia
Entrava no livro que lia e fugia

Neguinho me vendo em Quixeramobim
E eu andando de elefante em Bombaim

Cumpri o astral de caramujo musical
Hoje eu gripo ou canto
Não vou pro céu, mas já não vivo no chão
Eu moro dentro da casca do meu violão"

domingo, 4 de março de 2012

Amanhã tem desenho novo... hoje deixo poesia.










Daqui por Diante
Barão Vermelho


Que angústia desesperada
Minha fé parece cansada
E nada, nada mais me acalma
Você pisou na flor
E esqueceu do espinho
Virou do avesso sem saber
Os nossos sentidos
Até aonde existe o amor
E suportar suas feridas
Até aonde existe a dor
De quem assume esta sina

Viver é um vôo pra felicidade
E a voz da verdade
Nunca fez caridade
E todo dia ao acordar
Eu vou querer saber
Que pedaço é esse que me falta
Que não me deixa esquecer

A dor, o pranto nos olhos
A fúria do seu olhar
Apesar de todo desencanto
Eu não desisto de amar
Não vai haver mais dor pra mim
Daqui por diante vai ter que ser assim
Não vai haver mais dor pra mim
Daqui por diante vai ter que ser assim
Vai ter que ser assim...
Vai ter de ser...

Que angústia desesperada
Minha fé parece cansada
E nada, nada mais me acalma
Viver é um vôo pra felicidade
E a voz da verdade
Nunca fez caridade
E todo dia ao acordar
Eu vou querer saber
Que pedaço é esse que me falta
Que não me deixa esquecer

A dor, o pranto nos olhos
A fúria do seu olhar
Apesar de todo desencanto
Eu não desisto de amar
Não vai haver mais dor pra mim
Daqui por diante vai ter que ser assim
Não vai haver mais dor pra mim
Daqui por diante vai ter que ser assim
Vai ter que ser assim...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

"Deste mundo e do outro"



"Aceitemos então que estamos sozinhos e, a partir daí, façamos a nova descoberta de que estamos acompanhados - uns pelos outros. Quando pusermos os olhos no céu estrelado, com a furiosa vontade de lá chegar, mesmo que seja para encontrar o que não é para nós, mesmo que tenhamos de resignar-nos à humilde certeza de que, em muitos casos, uma vida não bastará para fazer a viagem - quando pusermos os olhos no céu, repito, não esqueçamos que os pés assentam na terra e que é sobre esta terra que o destino do homem (esse nó misterioso que queremos desatar) tem de cumprir-se. Por uma simples questão de humanidade".




José Saramago - In Deste Mundo e do Outro, Ed. Caminho, 3.ª ed., pp. 216-217

domingo, 29 de janeiro de 2012

A mesma... diferente todos os dias.


Hoje fico com ele... Mr. Lobones...







El Desdichado II
Lobão



Eu sou o tenebroso, o irmão sem irmão,
O abandono, inconsolado,
O sol negro da melancolia

Eu sou ninguém, a calma sem alma que assola, atordoa e vem
No desmaio do final de cada dia

Eu sou a Explosão, o Exu, o Anjo, o Rei
O Samba-sem-canção, o Soberano de toda a alegria que existia

Eu sou a contramão da contradição
Que se entrega a Qualquer deus-novo-embrião pra traficar
O meu futuro por um inferno mais tranquilo

Eu sou Nada e é isso que me convém
Eu sou o sub-do-mundo e o que será que me detém?

Eu sou o Poderoso, o Bababã,
O Bão! Eu sou o sangue, não!
Eu sou a Fome! do homem que come na brecha da mão de quem vacila

Eu sou a Camuflagem que engana o chão
A Malandragem que resvala de mão em mão
Eu sou a Bala que voa pra sempre, sem rumo, perdida

Eu sou a Explosão, o Exu, o Anjo, o Rei
Eu sou o Morro, o Soberano, a Alegoria que foi a minha vida

Eu sou a Execução, a Perfuração
O Terror da próxima edição dos jornais
Que me gritam, me devassam e me silenciam...."

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Gentileza...






Hoje vi uma foto dos meus ex-alunos, hoje amigos... Me lembrei de uma proposta que levei para sala de aula... na época, pouca gente compreendeu... mas hoje, quando todos eles já são homens, (faltou a mulherada da época heim meninos!!!) tenho certeza de que aprenderam a lição... E talvez saibam o que é gentileza... E quem foi O Profeta Gentileza...


A proposta era traduzir em imagem a música abaixo da Marisa Monte...


Gentileza
Marisa Monte


Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
A palavra no muro
Ficou coberta de tinta

Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
Só ficou no muro
Tristeza e tinta fresca

Nós que passamos apressados
Pelas ruas da cidade
Merecemos ler as letras
E as palavras de Gentileza

Por isso eu pergunto
À você no mundo
Se é mais inteligente
O livro ou a sabedoria

O mundo é uma escola
A vida é o circo
Amor palavra que liberta

Já dizia o Profeta...

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

DA FELICIDADE - Mario Quintana




"Quantas vezes a gente, em busca da ventura,
Procede tal e qual o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!"

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

SUCESSO TOTAL!


É isso aí minha senhora, é o caminhão do pop art passando na sua rua! Pop art a preços realmente POP! 










QUALQUER TRABALHO LISTADO ABAIXO, VENDIDO POR R$ 50,00 + FRETE!!!


Pessoal, a liquidação está um sucesso, sobraram poucos trabalhos, confiram a lista atualizada e #CORRÃO 




QUADROS À VENDA:

A PELEJA DO DIABO COM O DONO DO CÉU:http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5982605827/in/photostream   VENDIDO


MAIS É QUEM ME DIZ:

http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5966330619/in/photostream/   VENDIDO 


SIGNO CHINÊS:

http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5906137187/in/photostream/ VENDIDO


IÔ-IÔ:

http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5876410091/in/photostream/   VENDIDO


MATRIOSKA:http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5876410089/in/photostream/   
  VENDIDO 


A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5876410065/in/photostream/ VENDIDO



SHINGAI: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5801646703/in/photostream/   VENDIDO


MATER NOBLE: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5748577928/in/photostream/  VENDIDO


FUSCÃO PRETO: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/5670479107/in/photostream/  
  VENDIDO 


SUPLA:  http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/4332406357/in/set-72157623666550456  
DISPONÍVEL! 


CARLOTA JOAQUINA: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/4303641507/in/photostream
 VENDIDO


ELKE MARAVILHA: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/4275731407/in/photostream/  VENDIDO

OUTSIDE: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/3640529755/in/photostream 
VENDIDO

LIFE MAGAZINE: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/3401678586/in/photostream/   VENDIDO


BORED: http://www.flickr.com/photos/ghizarocha/2828686974/in/photostream/  VENDIDO