quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Ela me feriu.

Se você gosta de música desde criança deve ter alguma lembrança de como essa paixão começou... Pois bem, eu tenho e esses últimos dias pude revisitar muitos destes sentimentos..
Na casa dos meus pais, no bairro da Liberdade, em São Paulo, ouvia-se mais rádio do que se via TV. O rádio ficava ligado quase o dia todo, minha mãe ouvindo notícias, geralmente na Rádio Bandeirantes, e de manhãzinha aquelas narrações sanguinárias dos crimes da semana no programa do Gil Gomes, acho que rádio Record não me lembro... 

Meu pai ouvia notícias também, mas também os programas da Cultura AM e FM, onde se ouvia muito Chico Buarque, Caetano, GIl e afins dos anos 70 e 80...
E foi talvez numa dessas trocas de aparelho que eles me deram em 1985 um rádio AM/FM, eu era criança e aquele rádio para mim era como uma relíquia, algo muito valioso, sendo que a maioria das minhas amiguinhas ouviam música no rádio familiar, único na família.

Eu estudava de manhã, à tarde fazia meus deveres e corria pro meu radinho. ERa época de ouvir Blitz, Lobão, Marina Lima, Zizi Possi, Guilherme ARantes, Léo Jaime, RPM, Jorge Ben, Sandra Sá, enfim, eu me amarrava naquilo tudo! Bastou um ano de rádio que pedi um violão pro meu pai, ele me comprou um DI Giorgio, série estudante, que era tudo pra mim. Aí chegou a hora de tentar ir além da aulinha oferecida para o professor às meninas da 4ª série do colégio de freiras...
Comprei uma revistinha de cifras, em papel jornal (quem se lembra dá um sorriso!) e fiquei tão feliz, lá tinha "Perigo" que na época era sucesso na voz da Zizi Possi. Claro que não sei  o que era pior, eu cantando no naipe da Zizi ou tocando violão, mas estava selada a minha paixão pela música. O violão durou alguns anos, mas sem que eu conseguisse algum progresso digno de registro.... Mas o canto eu persisti por mais tempo, persisto até hoje com alguns progressos medianos, mesmo com a recordação da minha mãe me dizendo  que eu não tinha muito futuro como cantora, rs* Aí resolvi que a partir daquele momento eu só cantaria dentro do guarda-roupas, trancada no quarto, com o volume do som alto para me ocultar, seria melhor e mais seguro para todos.

Até hoje ouço rádio, tento cantar com alguma dignidade, e mantenho as paixões pelos mesmos ídolos.
E no último dia 14 de agosto pude finalmente ir à um show da lindíssima Zizi Possi. Os meus amigos mais próximos sabem o que isso significa para mim, eu tenho uma identidade com a obra dela desde os já narrados anos 80. Nos anos 90 ela embalou minhas paixões, as dores, amores, reflexões... identidade. Porque música é assim, a gente ouve, sente e ela nos pega ou não. Eu já fui em muitos shows maravilhosos, já vi Caetano, Rita Lee, Marisa Monte, Alceu Valença, Chico Cesar... mas olha... o que a Zizi Possi arrancou de mim no último sábado, não tem palavras.

Ela entrou no palco entoando os vocalizes de "A Paz" do Gilberto Gil, aquele timbre, aqueles vocais, vão crescendo conforme ela entrou  no palco e junto com as luzes ela se revelou iluminada, clara, límpida como sua  voz que a essas alturas já entrou na sua alma e quando eu me percebi, estava perdida no universo daquela criatura imensa.
Eu imagino que a Zizi tenha destruído muitos corações na vida, homens e mulheres, porque é impossível passar batido por essa mulher. Não digo só pela voz, mas pela presença dela, a presença agride o nosso olhar com tanta beleza e força de espírito. É uma beleza que incomoda, porque é inquieta, é doce, mas estrondrosa, é delicada, mas intensa. E as músicas que ela seleciona pra cantar, pela força com a qual ela interpreta, desnuda um pouco do ser humano, interior, denso. Não tem como ser só suave, a voz é suave, mas as canções são arrebatadoras... Ela provavelmente já viveu na carne cada uma das emoções que canta. É só assim que uma mulher canta "As rosas não falam" e consegue se emocionar todas as vezes como se fosse a primeira vez...

Ela fez um show incrível, mesmo tendo comentado estar muito emotiva, mesmo sem ter feito um bis... o que ela nos ofereceu durante o show , já foi tanto, tanto, que pedir um bis soaria como ofensa. 
O retorno do público era notável, todos cantavam junto com ela, o que ela pedisse, seria acatado. Domínio dos graves, dos agudos, das longas extensões, dos crescentes... domínio de cada uma das pessoas presentes naquela noite. Maestrina de notas e gente. Ela saiu do palco mais cedo, mas ela pode. Ela pode tudo.
Eu levei alguns dias para me refazer, ainda estou mexida, mas consigo catarsear um pouco do que ela fez comigo. Me confunde, porque foi horrível o que ela fez comigo, mas foi a coisa mais maravilhosa que já vi. Ela me arrebatou, ela me destruiu. Do modo mais lindo que há, mas foi como levar uma surra mesmo, não consigo explicar de outra forma. Meu peito doía no dia seguinte ao show, ainda falta ar de vez em quando, se começo a rever os momentos. Que voz perfeita, interpretação profunda, Arte, com letras maiúsculas e douradas.
Ela fere, com seu amor, sua delicadeza, com sua força, com sua sensibilidade que transborda de seu olhar, o modo como move as mãos, como silencia na hora certa. Ela fere.
E se já não feriu, ainda vai ferir você.

4 comentários:

caca disse...

GHIZA QUERIDA,
GOSTEI DA SUA TRAJETÓRIA DO RADINHO AO VIOLÃO ,AO CANTO,ÀS DESCOBERTAS MUSICAIS...
SUA NARRATIVA SOBRE O SHOW DA NOSSA DIVA É TÃO LINDA,VOCÊ FALA SOBRE
ESSE MOMENTO ARREBATADOR,SOBRE SUAS EMOÇÕES , SOBRE SEU RESPEITO E COMPREENSÃO DO QUE A ZIZIZINHA TEM PASSADO, JÁ PASSOU...NOSSA, TER A SUA SENSIBILIDADE EU SEI NÃO É FÁCIL... SEI PORQUE ASSIM SINTO A ZIZIZINHA, ELA VIVE EM MIM , UMA VIDA TODA, COMO ARTISTA SUBLIME, ALMA GENEROSA, COMO PESSOA MARCANTE, ÍNTEGRA... QUE É GENTE COMO A GENTE E SE MOSTRA COMO TAL. ISSO NELA É MUITO LINDO, NOS APROXIMA,NOS ORGULHA E SENSIBILIZA!
ELA REALMENTE, QUANDO ENTRA NA NOSSA VIDA TRANSFORMA!!
LINDO SEU TEXTO, PARABÉNS!!
BEIJOS, CARMINHA.

caca disse...

GHIZA,
EU ESTAVA BEM EM FRENTE DELA, GRUDADINHA, OUVINDO ESSA MARAVILHA, VENDO ESSA MARAVILHOSA!
FOI INESQUECÍVEL!!
BJKS, CARMINHA.

Rosany Lobão disse...

Menina, você descreveu exatamente o que ocorreu comigo em Belém ,ao ver Zizi pela quarta vez depois de longos anos sem notícia dela...
Fiquei tão "transtornada" após o show, que não sosseguei enquanto não estive ao lado dela, olhando aquela mulher, que nem acreditava ser de carne e osso!
Comprei ingresso para três dias de show, no Sesc de Vila Mariana, em são Paulo...via e-mail Belém-São Paulo...
E a loucura que foi conquistar esses ingressos, já que no segundo dia de venda, esgotara-se TUDO...
Mas Deus sempre dá um jeitinho: e lá estava eu e uma amiga, completamente embevecidas pela pessoa que me encantara desde a primeira vez que a vi, em 1985, na UFPA...
Sei, Ghiza, como você se sentiu e sente...Desde esses dias em São Paulo, não acredito ainda que ela falou comigo, brincou e até me beijou!...
Mas você com sua palavra mágica, conseguiu descrever exatamente o que sinto...
Parabéns pelo texto lindo!
Com apreço, Rosany lobão.

Adriana disse...

Ghiza,lindo seu texto!

Beijo