sexta-feira, 31 de agosto de 2007

C.S.


Não me reconheço em meus vultos selados,
Nas sombras gravadas em muros quase esquecidos,
Assim como também não te encontro nas minhas parcas lembranças,

Não tenho realidade,

Nem passado, nem futuro
Só o agora,
Esse abandono repentino...

Sem nome, sem rosto, sem tempo...

Não sei quem és, nem quem sou,

Na comida fria procuro lugares, pessoas e dias...

Os corredores da mente
...
que não deixam que eu me esqueça de mim...

quarta-feira, 1 de agosto de 2007


No que me desmancho,
Descanso,
Esqueço.
Desfaço-me em líquidos olhares
Das líquidas saudades
De um tempo que correu,
E me levou...