terça-feira, 29 de maio de 2007

Caminhos.


Não sei o que me falta
Por estar ausente de mim,
Por não me notar
Tão alheia e distante de quem sou...
Não sei onde me encontro,
Se me perco nas paisagens
Que me fogem pelas janelas,
Nos caminhos gastos
Pelos meus pés cansados,
Procuro-me em miudezas,
Na minha voz retorcida,
Arame que me fere e sustenta,
Num grito sufocado,
Roído e inflamado,
Que pede somente que eu me abandone
Entre frestas e frascos,
Numa gaveta chamada “esqueça-me”...

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Dos desejos...


Dos desejos, os vermelhos,
Das noites, as maiores horas,
Dos venenos, os remédios,
Das mudanças, o tempo,
Das previsões, o futuro,
Dos medos, a ousadia,
De você, seu nome.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Brasas.


Tu és pura delícia,
Chega e me envolves,
Tato e olfato para degustar teus sons,
Ver-te, encantamento e enlevo...
Subitamente, tu me escravizas,
Arranhões, mel e canções,
Flores e maldade
Para sentir-te, gesto cru,
Para sentir-me, chama ardente,
Para deixar-te, doce ilusão...

terça-feira, 8 de maio de 2007

Anti-herói.


Alimento-me dessa força que adormece nas veias dos séculos,
Que impulsiona seres comuns à imortalidade,
Transforma em fantástico o que estava fadado ao fracasso,
E tento fazer de minhas mazelas, adornos no papel,
Minhas moléstias, estímulos propulsores...
Cravos, perante as dores calcadas em passado cinzento...
Mas a cada pérola que encontro,
Vejo-me barata, me encontro rude
Forma tosca do que nem de longe é heróica,
Nem sorrindo fica bela,
Nem fingindo se parece...