domingo, 25 de fevereiro de 2007

Renda.


Não creias tu numa só palavra deste alguém,
Pois este não conhece sequer um dos teus parágrafos,
Apenas supõe-te amor verdadeiro e eterno,
Mas não sente o perfume que exalas nas entrelinhas da noite,
Não creias nesta boca e beijo incolores
Que desconhecem teus tons e sabores...
Tuas fendas e terrores,
Apenas te sugam a vida e morte...
E enquanto te pintas de esperança e mel,
De prontidão, te espero em minha casa,
Onde os copos, tapetes e lençóis estão sonolentos a tua espera,
Onde as horas cravaram-se nas janelas,
Os sussurros escorrem pelas paredes,
E eu, te aguardo fiel,
Na ânsia e na certeza do nosso leito feito de amanhã...




3 comentários:

Sonia disse...

Ah, Ghiza, interrompi o Contando Causos, mas não deixarei de visitar aqueles que me encantam sempre. Como o seu.

Thiago Quintella disse...

Acreditando em não crer no que escrevem... hummm grande missão! Sejamos fiéis!!

Rika disse...

Vão dizer que são tolices, que podemos ser felizes...