quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Feroz.


Existe em mim uma espécie de bicho,

Nada sensual,

Áspero, rude, eriçado,

Nada belo,

De uma selvageria alimentada da minha alma esquecida,

Sustentado pela essência das coisas em que creio

Rejeitando as abominações desse mundo castrado,

O eu não-domesticável, não-controlável, não-manso...

Apenas eu, do meu jeito mais cru,

Cravada em meus defeitos,

Os dentes arreganhados aos meus moinhos,

As pupilas dilatadas aos meus mais íntimos pavores,

Os pêlos arrepiados,

Num emaranhado entre o ódio e o amor,

Salivando meus segredos,

Passeando no deserto dos meus prazeres...

4 comentários:

D.E.S.A.S.S.I.S.T.I.D.A.S disse...

Olá Ghiza, vim conhecer o seu blog, gostei mto dos posts, parabéns,
abraços,
THA

efvilha disse...

O que somos nós, Ghiza, senão seres de mil urdiduras?
Na textura e nos matizes do que somos, há traços dos lobos e dos cordeiros, dos anjos e dos demônios, tudo contido na segmentaridade das nossas múltiplas linhas.
Cordial abraço.

Leticia Gabian disse...

Somos seres multifacetados. A grande jogada é aprender a conviver com todas as diversas faces.
Beijo pra ti.

D.E.S.A.S.S.I.S.T.I.D.A.S disse...

Oi Ghiza, que legal, vc é de Floripa, nós somos de Criciúma, é sempre bom encontrar blogueiros na região.

abraços,
THA