sexta-feira, 22 de setembro de 2006

Multiplicidade.


Hoje sou várias...
Enxurradas, turbilhões, tempestades,
Diferente do que inventara,
Perdida no que pensava ser,
Eu era e já não sou.
Virei uma incrível novidade,
Aterrorizante,
Lindamente assustadora,
Gigantesca, se comparada a ontem
Incógnita densa de amanhã...
Vou assim me vasculhando,
Traçando em poesia um mapa novo,
Para que eu não me perca novamente,
Não escape de mim.

5 comentários:

... Girllov& disse...

aaahhh, quem me derá ter forças para seguir tal exemplo... Já não consigo ser tão forte =s

Droga.

António Rosa disse...

PEDIDO DE AJUDA A TODOS OS AUTORES DO LIVRO “QUE É O AMOR?”

Criei o sítio “Que é o amor? – o blogue do livro” para dar continuidade à ideia da publicação do livro, para que este assunto não se perca no meio das postagens do “Postais da Novalis”.

O endereço é este:

http://queeoamor.blogspot.com


A ajuda que peço é esta: que gastem uns minutos do vosso tempo e numa rápida ida até esse blogue, verifiquem, na coluna da direita:

1) Se não me esqueci de lá colocar o linque do seu blogue.

2) Se o nome do blogue está correctamente escrito, bem colocado por ordem alfabética e se funciona bem quando se clica.

Se houver alguma anomalia, por favor, deixem um comentário no próprio blogue.

Um abraço,

António.

Leticia Gabian disse...

É preciso muita coragem pra enfrentar as mudanças, sejam elas físicas ou de ordem mais nobre.
Jamais abandone o hábito da poesia, ainda que nômade (sempre traçada em um novo mapa)certamente a levará de volta a você mesma.
Beijos pra ti.

Bruna Rasmussen disse...

a metamorfose inconstante do ser... :)

beijos

o alquimista disse...

Hoje és tu no encontro da vida no secreto caminho dos pássaros...!

Doce beijo