terça-feira, 29 de agosto de 2006

Pedido.


Gostaria de parir luz
Não sem dor alguma,
Senão me faltaria a cicatriz almejada,
Também não sem suor,
Para que não me falte um certo brilho.
Mas que não haja monstruosidade interna,
Ausência de algo,
Ou excesso de tudo...
Que me dessem apenas o necessário
Para estar completa, feita.
Para que eu possa ser somente eu.
Eu, carne, sangue e músculos
Premonições, sonhos e enleios
De palha da costa e espada de cobre...
Satisfação, de agricultor e fruto
Plenitude de Deusa e néctar
Perfeição em minha limitada humanidade...

8 comentários:

avelana disse...

que maravilhoso poema este


parir LUZ ....

se todos o desejassemos ...

beijo

Sonia disse...

São a dor e o suor que nos fazem valorizar a luz.

greentea disse...

bom dia

acho q já tinha aqui deixado um comment.


tenho um post que acho te interessa .


beijos e sorrisos..

Cadinho RoCo disse...

E a luz criança do seu dizrer nasceu de quem?
Cadinho RoCo
www.balaiodeminas.com.br

sofyatzi disse...

Passei por aqui para lhe desejar um Bom Fim de Semana.

Beijocas ;)

Bruna Rasmussen disse...

adorável poema! Muito bom mesmo!

beijos

Thiago Quintella disse...

Parir e dar à luz são sinônimos que vc muito bem destruiu com o gostar de parir a luz.. adorei essa Giza!

Benny Franklin disse...

Palavras de fina estampa. Poetividade à toda prova. Parabéns!