sábado, 29 de julho de 2006

Sopro.


Sonhei que era vento
E brincava de você, papagaio colorido...
Bumerangue de saudade,
Voltou em vôo dorido,
Ao qual me atiro célere e fluída
E levava comigo vaga-lumes, beijos luminosos,
Poeira formosa de rastros tantos,
Foram me seguindo pelas belezas da estrada,
Estrelas do meu fado,
Que mergulho diariamente,
Enquanto espero meu retorno...

3 comentários:

greentea disse...

não podemos brincar com ninguém de papagaio...

desce Á Terra e dança por aqui...

M. disse...

Fiz-lhe a vontade, e vim nas asas de "papagaio colorido" avisá-la que está lá à sua espera. :-) Foi um sopro matutino.

Thiago Quintella disse...

Mas Bah, o Isqueiro era do peão, tchê, eu nada tinha com isso! Hehehehe