sábado, 29 de julho de 2006

Sopro.


Sonhei que era vento
E brincava de você, papagaio colorido...
Bumerangue de saudade,
Voltou em vôo dorido,
Ao qual me atiro célere e fluída
E levava comigo vaga-lumes, beijos luminosos,
Poeira formosa de rastros tantos,
Foram me seguindo pelas belezas da estrada,
Estrelas do meu fado,
Que mergulho diariamente,
Enquanto espero meu retorno...

quarta-feira, 26 de julho de 2006

Toada.


O céu, estampa no verniz da viola,
Com estrelas cravejadas nos dedos do caboclo,
De cordas entre pássaros noturnos,
E canto macio,
Nas veias das lenhas que estalam na alma,
Hoje é moldura do meu coração,
Que segue, de carona encantada
Em bico de ave,
Em pelo de bicho,
Em rabo de peixe,
No destino que se revelou nas flores da minha varanda.

terça-feira, 25 de julho de 2006

Você.


Pelos olhos, pulsos, beijos
Beijos, pernas, mãos,
Mãos, costas
, cabelos,
Pelos, línguas e ontem
Venha, venha e fique.

sábado, 22 de julho de 2006

Breath.


Alimento-me de chão,
Das pegadas lavradas em pedra,
Engulo cada metro de estrada,
Crua da minha velocidade ,
Impaciente, sem seta nem norte.
Bebo cada curva
Salgada dos meus suores
Eterna, de amores e jornadas
Alimento-me assim,
De tudo que me atropela,
Tudo que me assombra,
Numa tentativa de domina-los
Num querer sorver todas as coisas
Com a língua apressada do meu ser...

quarta-feira, 19 de julho de 2006

Febril.


Corrompo e contamino
Versos e linhas vizinhas,
Infectadas pelo meu mal
Decoradas com meu bem
Contagio você e sua poesia
Que se torna meio eu,
Eu menos eu,
Assaltada em minha lírica,
Rouba minhas cores e temas
Mas não meu brilho de febre ardente
E semeada assim,
Mundo afora,
Atinjo meus ídolos,
Meus amores,
Meus estranhos,
Infecções em cada mente,
Nos campos vastos das almas alheias
Me colho mais doce e madura...

sábado, 15 de julho de 2006

Consternação.




Preciso buscar em ti
todo o assombro que escondes,
Aquele que te faz real, cruel,
Para menos te amar,
Abrigar-me em teus defeitos e mazelas,
E sentir-me consolada pela nossa desgraçada igualdade

Preciso trazer de mim,
Todo a maravilha que abafas,
Aquela que me fazia fantástica, nua,
Para mais te amar,
Revelar-me geradora em ti,
farol e calor,
Sentir-me gêmea em nosso gozo, beleza e plenitude.

quarta-feira, 12 de julho de 2006

Desfecho.

(Ao meu querido Gerald... "... eu te disse que o mundo está esvaziando cara...")


Esgotaram-se os quereres,
Esgotou-se o mundo,
Como liquidação de gente.
Nada mais se espera,
Nada mais se alcança,
Restou apenas aquela esperança escondida
Que de tão improvável, ninguém ousa revelar,
Aquele resto de pensar ,
Que insiste em, trôpego,
Resistir ao que sobrou de nós.

sábado, 8 de julho de 2006

Cativeiro.


Sou sufocada por palavras que não existem,
Frases mudas de meus olhos,
Estáticos numa tela onde transpareço o que não sou.
Não devolverei nenhum dos seus sorrisos,
Com os quais fabriquei minha alegria,
Nenhum dos seus beijos,
Que transformei em mel colorido,
E nenhuma das fotografias,
Delatoras de sonhos cometidos.
Fábulas secretas
Isentam minha poesia de rima.
Trancarei todas as nossas noites,
Com lacre dourado,
Nos esconderijos das minhas entrelinhas...

quarta-feira, 5 de julho de 2006

Dez.


Tinha viagem marcada
Malas prontas,
Destino escolhido e retocado
Com data, tíquete e anseios...
Procurei uma década pelo mapa,
geografia da minha estrela,
Com bússola feita de silêncios e saudades
Perseguia um segredo só meu,
Que partiu sem me esperar...

domingo, 2 de julho de 2006

Ermitão.



Era como um ermitão,
Em busca de concha hospedeira,
Que a refugiasse dessa solidão...
Dessa dor que não se pode curar...

Queria emprestar-lhe minha alegria
Minha blusa e uns livros,
Mas eu sou Rocha,
E sobraria em você.