quinta-feira, 22 de junho de 2006

Cabeça.


Sepulcro em mim,
Porta-jóia das riquezas escondidas,
Que espera a chegada da beleza,
Do gosto de mel prometido...

Baú recôndito e desacertado,
Exilado, de alma apreensiva,
Que espera pela cura de si próprio,
Pelo passeio inevitável, arrebatador de males.

Engenharia cinzenta,
Com vista panorâmica sobre a carcaça,
De tão iludida pelas brumas de si própria,
De tão eternamente devota de seus prodígios,
Torna-se tão efêmera, tão prolixa, tão dispensável...

6 comentários:

sofyatzi disse...

E por vezes a carcaça
Onde ela anda erguida
Nem sempre acompanha
O que ela pensa da vida

Por vezes a razão falha
Nada nos faz sentido
O corpo desmente a massa
Cinzenta.. amarelo-adormecido

E a massa cinzenta
Por vezes pensa sem parar
E deixa o corpo cansado
Sem conseguir repousar...

Beijocas ;)

greentea disse...

não li o que escreceste

vi apenas que Helena tinha nascido em dia de S. João e fico muito contente por ti e por ela por vocês


a minha tb "nasceu" em noite de s. joão - cá para fora nasceu em 10 de março...


é uma data mágica então para nós!

greentea disse...

há pouco tinha acabado de entrar em casa vindo do trabalho, mas fiquei t~~ao contente que tudo tivesse corrido bem que a Helena estivesse bem que quiz dizer-to logo, logo...
Helena é também o nome de uma amiga minha de há muitos anos.
Acho que qd nasce o primeiro filho se sente esse medo do desconhecido tal como vamos para o primeiro emprego - não sabemos o que fazer, onde arrumar os arquivos, como lidar com as pessoas... Cada bebé é um estranho qd chega até o conhecermos, sabermos como ele reage como gosta de dormir, de mamar, as suas horas, os seus choros...
E temos medo. E desenvolve-se em nós um sentimento novo de maior protecção para com a cria - temos medo dos ladróes, dos carros, da condução, de um fogo, qualquer acidente. Depois isso vai passando e nós vamo-nos ambientando às novas tarefas, às novas funções: não sabemos mudar a fralda, dar de mamar, dar o primeiro banho e por ai fora...
mas ao fim de pouco tempo tornamo-nos experientes como se sempre o tivéssemos feito! Vais ver-

Beijos para ti, para Helena e para esse Pai babado também

Sonia disse...

Também não quero falar de textos ou poemas, só dar as boasvindas a Helena. Que os caminhos dela sejam suaves. Beijos para vocês duas.

greentea disse...

bom dia


passei para saber se está tudo bem e essa menininha se está a portar bem e a dar um pouquinho de sossego a sua mae , q tb precisa . beijinhos.

André Gabriel disse...

oi ghiza!...eu não acredito que vc ainda tá aqui...sério eu vim aqui uns tempos atrás e parecia q vc tinha terminado o blog tbem....pra nossa felicidade vc ainda tá aqui!!!!!!!..li tudo!!! como tá sua nenê? espero que mãe e filha estejam bem...fiquei feliz em saber que ainda ta blogando... tô muito tempo fora da net...volto mais vezes....Abraços!