sábado, 22 de abril de 2006

Passagem.


Cansei de mim,
Retornarei em novo ventre,
Casa,
Novas águas me banharão
Outros sons me ausentarão
Com novo alimento crescerei...
Em novo mundo,
com outro nome, outro Orixá...
Sonhos distintos dos que sonhei,
Com decepções díspares, chorarei
Sob instintos diferentes
Buscarei meu rumo
Em novas nações,
Outros mantos...
Novos aromas,
Beijos incomuns, ocupações desconhecidas...
E seres fantásticos me conduzirão
sorridente e ansiosa
ao inevitável e desconhecido anoitecer...

sábado, 15 de abril de 2006

Flash.


Traço longos olhares horizontais
Que, num flash de desatenção,
Esbarram em teus contornos gritantes...
Gravado em ouro,
Hipnotiza, ladrão de fôlegos,
Ensina a ser mais que observador.
Convite à participação especial no espetáculo individual de existir,
Provocação ardida,
com aura de devassidão ou esperança...
Visão doce dos meus maiores temores,
Estaca nos meus vampiros,
Veneno no meu ser...

terça-feira, 11 de abril de 2006

Lápide


Quando eu não mais puder ser
Desejo não ser da melhor maneira que não haja
Para que eu não me falte
Que não sinta saudade do que fui
Nem desejo do que não fui
Nem precise de mais um bocadinho de mim
Apenas possa não mais ser
Não sendo.

domingo, 9 de abril de 2006

Precisão


Tua precisão me deforma
das sobrancelhas ao fígado
E eu, rascunho malfeito do que pretendia
Permaneço em pé,
A um passo de salto em abismo,
Ou ferrugem do que julgava não-perecível.
Sua clareza, sua poesia, seu nome,
Fazem de mim inútil,
Como um peixe ornamental encaixotado,
Tentando mostrar minha beleza
Sem mais saber nadar...
Se fosse índio comeria sua carne,
Numa conhecida receita antropofágica,
E não saberia seu gosto verdadeiro
Porque minha língua não está preparada para ler-te
A mim restaram estas frases,
A ti, todos os sons.

sábado, 8 de abril de 2006

Helena.


Por ti viro morada,
Abrigo da sua trajetória.
Estalo ardida e efervescente
nos meus sonhos tão individuais...
Expando corpo etéreo e físico
Ao perceber que tu és maior,
bem maior do que eu te fiz...
Teço linhas e tramas
para me sustentarem nesse mistério
onde nada enxergo, mas tu me vês inteira.
Te faço, te carrego, te alimento...
Em troca,
tu me trazes todas as maravilhas do universo
Numa eterna dívida mútua,
onde a criatura há muito já decifrou o criador...

domingo, 2 de abril de 2006

G.

Prefiro-te assim, incógnita
Enigma entre o anjo e o demônio
Imagem criada na mente,
Não materializada perante meus olhos tão decepcionantes...
...inesperadamente incapazes de te capturar.
Prefiro-te som,
Palavra,
Calor, não...
Distante das minhas mãos tão alheias...
...distraidamente capazes de sufocar-te.
Prefiro-te assim,
Em apenas uma letra,
a minha.