domingo, 11 de dezembro de 2005

Cama e mesa


Não quero virar poesia, nem letra de música...
Virar distância...
Mulher que vira poesia geralmente não está mais lá,
Foi levada ou fugiu.
Prefiro ser então pedaço do lençol,
Pãozinho na mesa,
sempre presente,
abraçando seu corpo, dentro da sua boca...

Nenhum comentário: